Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Testeira

Uma geração que apresenta déficits que resultarão em um futuro ainda mais incoerente

Fabiano de Abreu: Os evolucionistas são exemplos da própria evolução. Esta é a frase que decidi ser o ponto de partida para o assunto que decidi abordar hoje

Fabiano de Abreu* Publicado em 11/06/2022, às 07h00

Imagem meramente ilustrativa - Pixabay
Imagem meramente ilustrativa - Pixabay

O futuro preocupa-me, ainda mais o futuro das nossas capacidades enquanto seres humanos. Já em 2018 comecei a elaborar alguns estudos em que conclui que o acesso imediato à informação facilitada, que o uso recorrente do mundo virtual nos estava a tirar capacidades o que nos colocaria em risco a nossa espécie ou nos tornaríamos adaptados a uma nova realidade de sobrevivência.

Apesar de tudo, esse é o caminho da humanidade, a adaptação pois sempre fomos sujeitos a inúmeros testes e mudanças! O que nos torna diferenciados é a capacidade de compreender o panorama e agir de acordo com ele. O intelecto é fundamental.

A última região do cérebro a se formar é o lobo frontal, justamente a região da inteligência, diferente das demais espécies, encontramos na lógica uma maneira de sobreviver.

Sendo mais específico ao alvo, o córtex pré-frontal no cérebro revela comportamentos que garantem essa afirmativa perigosa de que estamos regredindo, ou prefiro dizer, elegendo uma nova adaptação que mudará a nossa percepção sobre a vida.

Quem sabe não deixaremos de enxergar a morte como seres humanos e passaremos ao enxergá-la como os demais animais sofrendo menos e perdendo a crença, de forma semântica à religiosa, pela falta do pensamento coerente sobre ela.

O córtex pré-frontal está relacionado com o controle emocional, lógica, tomada de decisão, atenção, coerência, planejamento, reflexão, percepção, entre outros elementos que revelam diretamente ou em conjunto a inteligência.

Pense em cada elemento que coloquei aqui e reflita se as crianças e jovens de hoje estão tendo dificuldades em relação a eles. Aumento de casos de TDAH – Transtorno Déficit de Atenção e Hiperatividade, falta de controle emocional com relação a TPD – Transtornos de Personalidade Dramáticos, falta de lógica e coerência, dificuldade no foco atencional, dúvidas para as decisões, imaturidade, falta de planejamento, erros nas reflexões e falta de percepção do óbvio relacionado a lógica, entre outros. 

Cérebro evoluído

Jean-Baptiste de Lamarck (1744-1829) era um cérebro evoluído para a sua época, dando ênfase no que digo sobre os evolucionistas serem exemplos da própria evolução. O naturalista francês disse que as espécies se modificam para adaptar-se, mas regridem, a lei do uso e desuso não estava totalmente correta para tudo, entre as exceções está o cérebro; que quando utilizado se aprimora, quando não utilizado, se atrofia (claro que com nuances não determinadas).

A transmissão dos caracteres adquiridos em vida - se esta geração está menos inteligente - logo a próxima geração virá menos inteligente e isso sucessivamente, moldando um novo tipo de inteligência, sempre tentando prevalecer a sobrevivência ou, quem sabe, extinção. Há também a relação com a epigenética onde os reguladores gênicos, passarão adiante os hábitos em vida até à reprodução, não de forma generalizada. 

Vale então mediante este texto, chamar a atenção para essa cultura das redes sociais que formam comportamentos semânticos que interferem na evolução do cérebro, assim como sensações que alteram a sua anatomia, prejudicando a geração presente e acarretando em consequências futuras.

A mudança dos hábitos e a regulação torna-se prioridade governamental e escolar, não omitindo os pais, mas levando em consideração que a maioria está "contaminado" por esta cultura. Nossa linha cronológica comprovou a necessidade do equilíbrio, mesmo que este tenha que ser regulado por cérebros menos afetados.


* Prof. Dr. Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues é PhD em Neurociências, Mestre em Psicanálise, Doutor e Mestre em Ciências da Saúde nas áreas de Psicologia e Neurociências com formações também em neuropsicologia, licenciatura em biologia e em história, tecnólogo em antropologia, pós graduado em Programação Neurolinguística, Neuroplasticidade, Inteligência Artificial, Neurociência aplicada à Aprendizagem, Psicologia Existencial Humanista e Fenomenológica, MBA, autorrealização, propósito e sentido, Filosofia, Jornalismo, Programação em Python e formação profissional em Nutrição Clínica. Atualmente, é diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito; Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, diretor da MF Press Global, membro da Sociedade Brasileira de Neurociências e da Society for Neuroscience, maior sociedade de neurociências do mundo, nos Estados Unidos. Membro da Mensa International, Intertel e Triple Nine Society (TNS), associações e sociedade de pessoas de alto QI, esta última TNS, a mais restrita do mundo; membro-sócio da APBE - Associação Portuguesa de Biologia Evolutiva.