Coronavírus » Oriente Médio

‘Poção de cura caseira’ de coronavírus mata mais de 300 pessoas no Irã

Divulgada na internet, a poção é extremamente nociva ao corpo humano e causou danos irreversíveis aos sobreviventes

Wallacy Ferrari Publicado em 31/03/2020, às 07h56

Cidadãos iranianos usando máscaras para evitar o contágio
Cidadãos iranianos usando máscaras para evitar o contágio - Divulgação

Conforme o surto do COVID-19 avança no mundo, a situação de contágio externa desespero nos cidadãos, porém, publicações conspiratórias e dicas inválidas podem se tornar um caminho sem volta, como ocorreu no Irã ao longo das três últimas semanas; uma postagem, compartilhada massivamente, orientava o consumo de metanol para matar o vírus.

A publicação relatava a história de um paciente que havia se curado apenas com uísque e mel, porém, a mensagem passou por alterações ao longo de sua propagação, que confundiu o uísque com álcool de alta prova, como desinfetantes e metanol.  Com a venda de álcool proibida no país, foi possível adicionar embasamento ao motivo do consumo de metanol.

A mistura criou um veneno fatal aos consumidores, confirmando mais de 300 mortes e mais de mil pessoas em acompanhamento nos hospitais em decorrência do consumo da fórmula. De acordo com Hossein Hassanian, consultor do Ministério da Saúde do Irã, “em algumas províncias, incluindo Khuzestan e Fars, as mortes por beber metanol excederam o número de mortes pelo novo coronavírus”.

Entre os casos, está um garoto de cinco anos que ficou cego após ser induzido a consumir o metanol toxico por orientação dos pais. O Irã foi criticado por faltar com transparência durante os estágios iniciais da doença no país, mas hoje, é o país do Oriente Médio com o maior número de mortos, com 29 mil casos confirmados do novo coronavírus, com mais de 2.200 mortes.