Coronavírus » França

Variante britânica da Covid-19 é responsável por 20% das infecções em Paris, diz executivo

“Temos resultados iniciais na região de Paris e eles não são bons”, declarou Remi Salomon, chefe do comitê médico do grupo de hospitais de Paris AP-HP

Fabio Previdelli Publicado em 02/02/2021, às 11h57

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Pixabay

Segundo um importante executivo de hospitais parisiense declarou hoje, 02, o país sofre com a nova variante da Covid-19 que, inicialmente, foi detectada no Reino Unido. Altamente infecciosa, ela corresponde, atualmente, em até 20% dos casos registrados na capital francesa.  

Em entrevista à rádio Franceinfo, Remi Salomon, chefe do comitê médico do grupo de hospitais de Paris AP-HP, declarou: “Temos resultados iniciais na região de Paris e eles não são bons”. A fala foi repercutida pelo UOL

“Estávamos entre 6% e 7% em 7 de janeiro, chegamos a entre 15% e 20% na semana passada”, completou ao apresentar os dados das pessoas que foram infectadas no país pela variante do Reino Unido

Salomon ainda disse que as restrições mais duram foram necessárias para conter a pandemia. Na semana passada, Emmanuel Maron, presidente da França, optou por não impor um terceiro lockdown no país. Ao invés disso, intensificou os controles nas fronteiras e reforçou um toque de recolher noturno.  

Sobre a Covid-19

Em 1º de dezembro de 2019, o primeiro paciente apresentava sintomas do novo coronavírus em Wuhan, epicentro da doença na China, apontou um estudo publicado na revista científica The Lancet em fevereiro do ano passado.  

De lá pra cá, a doença já infectou mais de 103 milhões de pessoas ao redor do mundo, totalizando cerca de 2.236.454 de mortes, sendo mais de 225 mil delas apenas no Brasil, que está no segundo lugar entre os países onde mais pessoas morrerem por complicações da Covid-19. O primeiro deles é os EUA, com mais de 443 mil.

De acordo com as últimas informações divulgadas pela China, atualmente o país registra 89.564 casos de infecção pelo novo coronavírus, com 4.636 mortes.