Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Testeira

Happy Halloween: quais são as técnicas para produzir o melhor do horror?

Estamos na época em que as cabeças de abóboras e os filmes de terror aparecem, e vamos mostrar alguns segredos do cinema

Redação Publicado em 31/10/2022, às 13h51

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Cena do clássico O Exorcista - Divulgação
Cena do clássico O Exorcista - Divulgação

Para os fãs da data e do gênero muito se passa na cabeça, como exemplo, as perguntas: de onde esse diretor tirou essa ideia? Ele é maníaco? Como fizeram parecer tão real?

O cinema de horror é uma das tarefas mais difíceis que tem na indústria cinematográfica. Como cineasta, te digo: você tem apenas alguns caminhos, ou ser muito ruim, ou muito bom, e, por último, trazer para o trash — tão esquisito, pavoroso, que se torna ótimo.

Para entender vou dar três exemplos, um de cada. O filme bem ruim de terror fica por conta de ‘O Ataque dos Vermes Malditos’ (1990), é nojento, tentam ser trash, mas não absorvem exatamente os requisitos necessários para essa modalidade, passa um pouco do ponto.

Já na categoria de filmes bons posso deixar a dica de ‘O Exorcista’ (1973), um clássico que faz todo mundo ficar inquieto no sofá. Agora para o trash, eu elenco as sagas ‘Halloween’, ‘Sexta-feira 13’ e ‘A Hora do Pesadelo’, que são bizarros e sangrentos, mas traz na essência uma história e cenas de arrepiar.

Cena de 'O Exorcista' / Crédito: Divulgação

Já que sabemos como classificar de forma minimalista os filmes de terror, quero trazer algumas curiosidades sobre como chegar a um bom resultado. Qual será a fórmula para deixar as pessoas apavoradas no sofá.

Psicológico

Talvez essa seja a base mais importante. Para ter o filme perfeito precisamos estar atentos ao que causa pavor psicológico no público, ou seja, criar personagens que as pessoas se identifiquem.

O desconforto talvez seja a palavra-chave para essa receita. A falta de confiança no que está por vir e as paranoias comuns do ser humano são os pontos onde devemos chegar, como exemplo, quem nunca apagou a luz e saiu correndo para o outro cômodo com medo de assombração, bom, pelo menos na sua infância aconteceu.

Diante disso, a palavra-chave negativa do enredo é previsibilidade. Não, não se pode pensar em um filme de terror montando um susto que todo mundo sabe que vai tomar, a não ser, que você espere passar o momento que todos estão esperando e ir lá e dar o grande sobressalto, afinal, desta forma funciona também.

A questão maior é mexer com o senso de realidade das pessoas, pensar no que exatamente ainda está dentro deste conceito como: coisas supernaturais, imoralidades, assassinatos e conspirações. Ou seja, ninguém tem medo de vermes gigantes.

O Found Footage foi um dos métodos que ganhou muita força no final dos anos 1990 e 2000, tipo ‘Atividade Paranormal’ (2007). A perspectiva é praticamente da audiência, pois ela vê com os olhos do personagem.

O Slasher também ficou bastante conhecido como uma fórmula perfeita. Com o sucesso de ‘Chucky: o boneco assassino’ (1988) e ‘Pânico’ (1996), o subgênero permeou por muitas gerações.

Chucky, o Boneco Assassino / Crédito: Divulgação/ Rogue Pictures

Isso porque as pessoas realmente acreditam que existem malucos por aí que querem matar em série pessoas que não fizeram nada a eles, ou aquelas que têm algum ponto parecido com quem o machucou.

Vemos nos jornais e não são personagens fictícias, mas inspiraram filmes, como: Peter Kürten (‘M: O Vampiro de Dusseldorf’, 1931); Ed Gein (‘Massacre da Serra Elétrica’, 1974 e ‘Psicose’,1960), entre outros.

Técnicas de luz

A iluminação é um dos pontos principais. Muito difícil uma sala cirúrgica causar pânico. Quando a luz vem de baixo, ela distorce bastante as pessoas e cria uma realidade paralela, e pode ser a base de lâmpada, de fogo ou de lanterna, que vai dar o efeito necessário, como em algumas cenas de ‘Hereditário’ (2018), ou mesmo ‘Bruxa de Blair’ (1999).

Cena de A Bruxa de Blair (1999) / Crédito: Divulgação

Aquele clarão que vem de trás do personagem também ajuda bastante, não dando foco ao rosto, mas sim a silhueta, o que nos remete a alguém entrando em nossa casa durante a noite, enquanto estamos dormindo.

Tipo ‘Jogos Mortais’ (2004) quando aquele boneco aparece do meio do escuro com a iluminação por trás dele. Ainda o vermelho saturado dá aquela impressão que qualquer coisa pode acontecer, como em ‘Um Clássico Filme de Terror’ (2021).

Cenário

Com certeza o local vai determinar bastante coisa. Os casarões abandonados são uma ótima escolha, quantas vezes ficamos em estado de aflição no filme ‘Os Outros’ (2001). Ou mesmo nos galpões abandonados com macas e armas de tortura e aparelhagens cirúrgicas espalhas para todos os lados, como no filme ‘Albergue’ (2005).

Os hotéis interditados também nos fizeram temer o pior como em ‘O Iluminado’ (1980), ou mesmo na série ‘American Horror Story: Hotel’ (2015).

Cena do filme O Iluminado / Crédito: Divulgação/ Warner Bros. Pictures

As escolas também são um prato cheio para mostrar coisas sendo destruídas, pegando fogo, entre outras catástrofes, vimos isso em ‘Carrie, a Estranha’ (1976). Ainda, tem as florestas que são a linha final para aqueles que estão sendo perseguidos por uma pessoa, ou por um grupo que quer literalmente comer você, como em ‘Canibais’ (2013), aterrorizante.

Não precisa de muito para produzir um bom filme para estrear no Halloween, na verdade, é mais saber como juntar todo esses elementos e fazer com que o aficionado no gênero não consiga prever os próximos passos. Ainda, não se pode esquecer de proporcionar o alívio de ser salvo, pois o que eles buscam, na maioria das vezes, é um final menos trágico. Mas nem todo mundo é assim.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!