Testeira
Colunas / Daniel Bydlowski » Paramount Pictures

Paramount Pictures – tudo por trás da gigante do cinema

Como um dos principais estúdios de produção cinematográfica dos Estados Unidos superou a Grande Depressão e outras crises

Daniel Bydlowski, cineasta* Publicado em 08/05/2022, às 06h00

Cenas de ‘Forrest Gump’ e ‘Um lugar silencioso’
Cenas de ‘Forrest Gump’ e ‘Um lugar silencioso’ - Divulgação/Paramount Pictures

Situado em Los Angeles, California, o estúdio da Paramount Pictures é, sem sombra de duvidas um dos mais lucrativos de Hollywood. Mas nem mesmo grandes sucessos de bilheteria e críticas como ‘Forrest Gump’, ‘Missão impossível’, ‘Um lugar silencioso’ e diretores comoAlfred Hitchcock, Roman Polkanski e Francis Ford Coppola evitaram que grandes crises abatessem a história do estúdio.

Fundado em 1914 pelo imigrante húngaro Adolph Zukor, um simples faxineiro que passou a investir no cinema por sua paixão, a produtora no inicio era chamada de Famous Players Film Company.

Contando com algumas parcerias importantes ao longo dos anos, tais como a Jesse L. Lasky, eles tornaram-se a Famous Players-Lasky Corporation, que detinha a exclusividade de importantes astros do cinema mudo, como Gloria Swanson,Mary Pickford,Douglas Faribanks e Rudolph Valentino.

Nesta nova configuração, Zukor atuava como presidente e Lasky como vice-presidente. Juntos foram responsáveis por grandes produções da Hollywood como conhecemos hoje, como o longa de faroeste mudo The Squaw Man.

Grandes estrelas

Pouco tempo depois, houve uma fusão com uma distribuidora de filmes chamada Paramount Pictures, e a empresa passou a ser chamada de Paramount Famous Lasky Corporation. Graças a sua enorme rede de cinemas para distribuição de suas produções, não demorou muito para que a Paramount se tornar uma corporação gigante e com contratos de grandes estrelas.

Lançando dois a três novos filmes por semana de 1916 a 1921, a companhia passou a ser integrada com total controle de todos os aspectos do universo cinematográfico – produção, distribuição e exibição, que contava com mais de 1200 salas de cinema. E assim foi até 1940, quando a Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu que possuir um estúdio e a rede de cinemas constituía monopólio.

Com tamanha expansão vieram alguns desafios também, como as hipotecas sobre os cinemas, fatos que se agravaram durante a Grande Depressão, em 1929, forte recessão econômica que atingiu em cheio o capitalismo internacional e que tumultuou na saída de Lasky da empresa.

No entanto, a Paramount não só saiu vitoriosa da crise, como de fato dominou todos os segmentos do mercado, até que lhe fosse permitido. Já no meio do século eles contavam com grandes nomes na direção dos filmes como Billy Wilder,Alfred Hitchcock e John Huston e lançamentos como Um lugar ao sol de George Stevens (1951) e a segunda versão de Os 10 mandamentos de Cecil B. De Milles (1956).

Mas mesmo assim outros desafios surgiram e a queda de performance foi superada quando Charlies Bluhdorn e sua empresa Gulf + Western comprou a Paramount em 1966. Para superar mais uma vez tempos difíceis eles chamaram o ator/chefe de estúdio Robert Evan's que conseguiu lançar em 1969, ‘O bebê de Rosemary’, de Roman Polkanski e adaptou um grande best-seller chamado ‘Love Story’ em um drama com orçamento modesto.

Era da Nova Hollywood

O filme que contou com grandes nomes como Ryan O'neal, Ali MacGraw e Tommy LeeJones foi um sucesso e bateu recordes de bilheterias, lucrando mais de 100$ milhões em todo o mundo além de receber sete indicações ao Oscar. Chegávamos então a Era da Nova Hollywood, em que o estúdio lançaria um dos mais icônicos filmes da história da sétima arte, como ‘O Poderoso Chefão’, dirigido por Francis Ford Coppola.

Cena do filme O Poderoso Chefão III (1990) /Crédito: Divulgação / Paramount Pictures

Após o lançamento deste clássico, os anos 70 e 80 foram propulsores ao estúdio, em que se destaca 1986, ano que alcançaram 22% das bilheterias de todo o mundo, dobrou os números de seu maior concorrente. Na época com 5 cinco filmes no TOP10, os mais notáveis foram Top Gun e Crocodilo Dundee.

Ainda na década de 80, o nome se transformou em Paramount Communications, Inc. pela Gulf & Western. Já nos anos 90, foi arrematada pela Viacom Inc., que instituiu a conhecida até hoje Paramount Pictures e só comemorou feitos. Principalmente na gestão do presidente Brad Grey, que entregou blockbusters premiados.

Recordes 

Em 2001 conseguiu quebrar alguns recordes com seis dos filmes que mais gerou lucro na história: Transformers: O Lado Oculto da Lua, Capitão América, Kung Fu Panda, Super 8 e Rango, capitalizando mais de 100 milhões de dólares em bilheterias só nos Estados Unidos da América.

Hoje, a marca já é consagrada como canal de streaming com séries e filmes que fizeram história ou estão começando a fazer. Com certeza, é uma gigante, e por mais que seus deslizes foram significativos, seu legado não tem como ser apagado.